Regime de caixa e competência: quais as diferenças entre eles?

  • outubro 6, 2020

O regime de caixa e competência são recursos importantes e usados para auxiliar na contabilização das operações financeiras do negócio. Por serem conceitos diferentes, é importante entender as características de cada um e quando devem ser utilizados para assegurar uma aplicação mais efetiva e obter resultados precisos.

Para responder às principais dúvidas, elaboramos este conteúdo para esclarecer os pontos mais relevantes de cada um e mostrar em que se diferenciam. Confira!

O que é o regime de caixa?

Trata-se do mecanismo usado para considerar as operações no momento da transação financeira, e não na hora do fechamento do negócio. Isso quer dizer que as receitas e despesas apenas são consideradas após o recebimento e pagamento, não levando em conta o momento em que ocorre a assinatura do contrato.

Por exemplo, se a companhia vendeu um produto de forma parcelada, cada parte será registrada na data correspondente ao pagamento.

O que é regime de competência?

Nesse tipo de regime, as receitas e despesas são lançadas na data do fato gerador, e não no momento do pagamento ou recebimento. Mesmo que uma instituição realize uma operação a ser paga em parcelas, o montante total da transação será registrado no dia do fechamento do negócio, independentemente da sua quitação.

Quais são as principais diferenças entre regime de caixa e competência?

A principal diferença entre regime de caixa e competência está na maneira como os lançamentos são registrados. No regime de caixa, o registro contábil é feito quando a receita ou despesa é recebida ou paga, enquanto no regime de competência a entrada ou saída são lançadas no momento em que o evento aconteceu, mesmo se o pagamento ocorrer em data posterior.

O que importa para o regime de caixa é o dia em que o pagamento foi recebido ou realizado, já no regime de competência o importante é o fato gerador, que é a data da situação que originou o evento contábil.

Quando cada um deve ser utilizado?

Os dois regimes têm seus benefícios e desvantagens. Por esse motivo, o ideal é que ambos sejam empregados na empresa, para que uma análise mais completa sobre a situação financeira e contábil possa ser realizada.

Contudo, cada um deve ser utilizado para a criação específica de relatório contábil, tendo em vista que o regime de competência é obrigatório para os registros de empresas de grande e médio porte, instituições financeiras e demais organizações previstas em lei, tornando o seu uso mais comum.

Já o regime de caixa é usado para auxiliar no controle do fluxo de caixa e elaboração do Demonstrativo de Fluxo de Caixa (DFC), que possibilita a averiguação das transações e saúde financeira do negócio.

É importante saber que a norma permite que micro e pequenas empresas executem sua contabilidade e pagamento de tributos com fundamento no regime de caixa, desde que consigam monitorar os recebimentos e documentos comprobatórios.

Agora que você entende o que é regime de caixa e competência e suas diferenças, é importante analisar suas vantagens e as características da empresa para identificar o melhor momento para usá-los, e garantir uma gestão contábil e financeira e a elaboração de demonstrativos eficientes para o negócio.

Achou esse conteúdo interessante? Então, aproveite sua visita no blog para ler “Resultado econômico, financeiro e contábil: domine esses conceitos” e saiba mais sobre o assunto!