Segunda edição do Formma Minds trata dos benefícios da diversificação de investimentos

  • fevereiro 8, 2021

Com o objetivo de democratizar o debate sobre as finanças, a segunda edição do Formma Minds contou com a participação de Bryan Caulkins, Financial Advisor e Chefe de Compliance da Proxy Financial. Conduzido por Sérgio Rodrigues, Chief Communication Officer (CCO) da Formma Contábil, o papo sobre diversificação de Investimento como forma de maximização e proteção patrimonial abordou tópicos como opções de fundos, tributação e sucessão de patrimônio.

Enquanto o mundo enfrenta uma pandemia que amedronta pela questão da saúde, as questões financeiras também foram trazidas para o centro dos debates. Com mercados quebrando, empresas falindo e prejuízos nos mais diversos níveis, o planejamento financeiro tem se tornado cada vez mais essencial, como destacou Sérgio: “Recentemente, os investidores vêm mantendo seus ganhos pela redução da taxa de juros e o investimentos vem sendo uma alternativa para minimizar perdas, por isso, a diversificação precisa ser considerada, mas feita com o máximo de segurança”.

Até pouco tempo, o mercado voltado para investimentos no exterior não era muito aplicado, por ser restrito a uma pequena fatia do mercado e possuir regras diferentes do mercado nacional. Considerando esses fatores, a experiência de Bryan, que possui ampla atuação nos Estados Unidos, enriqueceu o debate.

Por que investir no exterior?

Acompanhando a trajetória do real, é perceptível a tendência de desvalorização da moeda em comparação ao dólar. Sendo o Brasil um país exportador, é pouco provável que haja um esforço do mercado para equilibrar os pesos entre as moedas, já que externamente os produtos valem mais com o dólar valorizado. Bryan exemplificou: “A Starbucks, por exemplo, compra milhares de toneladas de café brasileiro, então diante da possibilidade de uma valorização significativa do real, a economia do Brasil enfraquece porque passa a vender menos, e consequentemente o PIB do Brasil cai”.

Além do comparativo das moedas, a diversificação é uma estratégia importante. Como diz o conhecimento popular, quando se deixa todos os ovos em uma cesta, caso ela caia, você corre o risco de perder tudo. Dividindo em cestas diferentes, o risco da perda ainda existe, mas sem comprometer o total.

Com as grandes marcas mundiais no mercado norteamericano, Bryan apresentou os EUA como uma opção segura e extremamente rentável: “Ao contrário do que se pensa, não é necessário ter milhões para investir no exterior. Como assessores fiduciários, temos condições, licenças, registros e conhecimento de mercado para traçar um caminho vantajoso e seguro para nossos clientes de acordo com a realidade de cada um deles”, detalhou.

Por que contratar uma empresa para assessorar seus investimentos?

Assessoria fiduciária vem do latim: “aquele em quem se pode confiar”. No mercado financeiro, os assessores não recebem comissão nem remuneração a não ser dos clientes, por isso, o objetivo é sempre oferecer o melhor para quem contrata e confia os investimentos à empresa.

Com os serviços degestão de investimentos, planejamento financeiro e sucessório, imigração para os EUA e desenvolvimento de juros imobiliários, Bryan desenvolve na Proxy um trabalho de personalização de investimentos dentro do perfil dos clientes. “Podemos considerar que todas as rendas fixas do mundo transitam de alguma forma pelos Estados Unidos, movimentando trilhões por dia, então fazemos, como numa consulta médica, uma avaliação minuciosa do cliente e dos seus objetivos, e então, com uma equipe especializada, criamos carteiras para qualquer tipo de necessidade e objetivo”, destacou.

Além da versatilidade, a segurança é um ponto essencial na hora de decidir enviar dinheiro para o exterior e escolher quem vai administrá-lo. Com experiência nos EUA, atendendo clientes com necessidades variadas, a Proxy é uma das empresas que garante uma cartela extremamente diversa e segura, com a participação em um sistema que protege o investidor sob as leis norteamericanas.

Uma trajetória segura para os investimentos

Além de analisar o mercado real, os assessores fiduciários podem acompanhar e planejar a  continuidade dos investimentos, tanto em relação a mudanças de mercado quanto em relação ao repasse dos valores em caso de heranças, por exemplo. “Quando o sucessor falece, o rito começa no Brasil até chegar no formal de partilha, com uma série de processos no Brasil até chegar à instância jurídica nos EUA, em um caminho burocrático que necessita do acompanhamento de profissionais para minimizar as perdas”, explicou Sérgio.

De acordo com o exemplo de Bryan: “É comum que pessoas físicas invistam em casas nos EUA e no caso de falecimento, os bens entram no processo de transmissão que podem resultar em perdas significativas. Contratando profissionais que não trabalham com proteção patrimonial, você fica desprotegido em relação a termos sucessórios”.

Além da proteção patrimonial, as tributações mudam de um país para outro, e conhecer bem essas regras é essencial para investir com segurança. “O Brasil tem uma tributação global, qualquer ganho que ocorra em qualquer país sofre tributação, mas com EUA e Portugal, por exemplo, existe um acordo de reciprocidade que não permite que a tributação ocorra duas vezes, sendo poupado aqui o desconto valor que já foi descontado no exterior”, explicou Sergio.

Conhecimento, planejamento e uma parceria de confiança são as chaves para agregar segurança aos seus investimentos. Por isso, convidamos você a continuar acompanhando nosso projeto e ampliar o seu domínio sobre o mercado financeiro com a Formma Contábil!